História de Viçosa-MG

Viçosa está localizada em minas gerias, Brasil. Conta com uma população estimada em 2016 de aproximadamente 77 863 habitantes. A região era habitada por índios botocudos e puris, pertencentes ao grupo tupi. Permaneceu ocupada por estes até meados do século XVII. O inicio do povoamento só ocorre no século XIX, por iniciativa do padre Francisco José da Silva, que conseguiu permissão para a construção de uma capela em homenagem a Santa Rita de Cassia. A população aumentou, e em 1813 decidiram construir um outro templo católico, o que mudou o eixo de expansão e favoreceu o crescimento. Em 1871, Santa Rita do Turvo (como era chamada a cidade) foi elevada vila e 3 anos depois elevada município, levando o nome de Viçosa de Santa Rita.

No dia 18 de outubro de 1883, foi criado o distrito de Santo Antônio dos Teixeiras e anexado ao município de Viçosa de Santa Rita e 6 de novembro de 1890, e em 14 de setembro de 1891, foi criado o distrito de São Vicente do Grama e anexado ao município de Viçosa de Santa Rita. Em 1885 o então presidente Arthur Bernardes, trouxe estrada de ferro para o município, o que desencadeou o desenvolvimento da cidade. No ano de 1911 o município passou a ser chamado de Viçosa.

Fundou-se em 1926, por Arthur da Silva Bernardes a ESAV, Escola Superior de Agricultura e Veterinária. Em 1969 aconteceu a federalização, passou a levar o nome de UFV, Universidade Federal de Viçosa. A universidade passa a atrair estudantes e professores por buscas de emprego contribuindo assim para o crescimento e a expansão de Viçosa. De 1950 a cidade estava passando por uma reurbanização, construções de edifícios, reformas das principais avenidas, construção de colégios.A linha de trem foi desativada em 1994, devido a falta de passageiros. Na década de 90 surgem maiores edifícios e em 2001 instalação de colégios de ensino superior.

Patrimônio histórico

Edifício Arthur da Silva Bernardes

A inauguração do principal edifício, atualmente Edifício Arthur da Silva Bernardes, aconteceu no dia 28 de agosto de 1926. O Edifício tem 5 áreas, dois extremos, o central e dois reentrantes. Compreende salas destinadas a diretoria e congregação, biblioteca, sala de exposições, secretaria, salão nobre, instalações de alguns departamentos era utilizado como salas de aula, sedes de bancos e departamentos, hoje o edifício é usado apenas pelos órgãos administrativos da universidade. Foi tombado no dia 29/06/2001, pelo seu valor histórico e arquitetônico, para o povo viçosense e para o estado de MG. O “Bernardão” é tido como referência pelos estudantes e moradores da cidade. É um espaço de memória, tanto individuais quanto coletivas. Memórias de estudantes, dá época em que ali estudavam, o espaço em que tinham convivência com os amigos. De outros o lugar ao qual trabalhavam. Mas ali estão retratadas todas essas memórias.

Meu conhecimento sobre o edifício:

Eu já conhecia o “Bernardão’’, já fui visita-lo várias vezes com meus pais, que todas as vezes tiravam fotos no prédio e eu nunca entendia o motivo, não sabia da importância desse edifício para o nosso estado. Vejo o Bernardão de forma diferente, ele retrata memórias de vários estudantes que ali passaram. Meu pai, que já foi estudante da UFV, sempre me conta fatos ocorridos quando ele estudava aqui, os amigos dele também relatam essas memórias, que são a maioria coletivas. O local é inteiro de memórias e histórias que o tornam referência na universidade.

Fonte:

imgem destacada: http://sb4.com.br

Arquivo cedido por Yasmim Ribeiro Araújo – Quer ver o original? clique aqui.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *